quinta-feira, 28 de julho de 2011

(...sobre teus medos e meus segredos)

Não deixe teus olhos caírem
No voar de tuas mãos nas minhas
Escorregar no arco íris dos teus [cabelos

Não deite o nosso ar no chão
Venha e devore a noite que é [minha
Antes que o tempo se esgote entre [teus dedos

Não deixe a nossa cerveja acabar
Consuma a minha boca que te [ensina
A calar e a me chamar de "minha" [entre os teus medos

Não... não deixe que o dia finde
E que pinte a seu bel prazer e querer
As palavras que - nus - desenhamos em segredos
Postar um comentário