quinta-feira, 25 de junho de 2009

As diferenças entre Forró e Oxente Music no São João

Gostaria de aproveitar o momento dos festejos juninos para dizer algo que eu vivo dizendo aos meus amigos a respeito do forró e do oxente music. Algumas diferenças entre ambas que são importantíssimas para quem realmente GOSTA de forró. Portanto, vamos por partes como diz o esquartejador (embora dentro de mim tudo esteja muito misturado, devido a clareza de sentimentos que sinto por um e por outro).

O Oxente Music
Suas letras normalmente, para não dizer sempre, são depreciativas. A mulher, figura mais calejada desse estilo (que não me atrevo a dizer nem que seja um "estilo musical", mas sim comercial), é sempre uma vadia, uma prostituta ou uma rapariga, sem valor e que serve apenas para satisfazer sexualmente os homens. Estes tornam-se uns coitados, cornos e roedores em alguns casos, mas em outros eles são uns tipos conquistadores que só querem "raparigar" e beber. A todo instante encontra-se, com muita facilidade, por sinal, expressões pobres ou pobres expressões para disfarçar o baixo e forte apelo sexual presente nas "letras" do oxente music, por ex. "Na sua boca eu viro fruta/ Chupa que é de uva/ Chupa, chupa/ Chupa que é de uva/ Na sua boca eu viro fruta/ Chupa que é de uva/ Chupa, chupa" (Aviões do Forró). E paramos por aqui para não citarmos coisas piores.
Essas bandas se denominam forró, mas quase não consigo ouvir o som da Sanfona, Triângulo e Zabumba, instrumentos do forró. No entando, escuto teclados, baterias pesadas, instrumentos de sopro e guitarras. Menos o trio tradicional acima mencionado. Há sempre mais de um vocalista entre homens e mulheres. Eles também utilizam de bailarinos e balarinas que dançam de tudo, menos forró, esses dançarinos parecem dançar para aquelas competições de dança abordada em alguns filmes norte-americanos na década de 80. É possível, também, nortar alguns efeitos especiais, como um limão gigante abrindo no meio do palco e de dentro dele saindo um cara cantando.
Essas bandas costumam se apropriar, com muita facilidade, de melodias de músicas extrangeiras que estejam fazendo sucesso no momento. Infelizmente não consegui trazer nenhum exemplo para ilustrar melhor tal situação, porque não pude identificar nenhum dos possíveis nomes que possam ter dado a alguma música. Mas fizeram isso com uma de música de Rihana, recentemente. E o resultado não poderia ter sido diferente: trágico. Não se dão ao trabalho nem mesmo de traduzir fielmente a música. Essas bandinhas simplesmente jogam alguma coisa por cima da melodia e pronto, lançam como um sucesso.

O Forró
É poesia! É sentimento dito de uma das formas mais simples e mais bonitas possíveis. O poeta brinca com o imaginário do nordestino, constrói um cenário de amor que pode ser vivido por qualquer sertanejo (não apenas aquele do sertão nordestino, mas de todo o Brasil). Canta o amor de homem trabalhador, sofredor e castigado pelo clima da região, por uma mulher única e que merece ser bem cuidada, bem tratada e delicada. Símbolo muito comum desse amor é o passarinho, pequeno, delicado e que vive solto pelo terreiro. Mas o canto do passarinho é como se fosse a cantiga do amor, como se o passarinho contasse ao amado o quanto o outro o ama. Talvez nem seja apenas o passarinho, mas sim a natureza inteira como símbolo desse amor, como consumação desse amor entre homem e mulher, entre mulher e natureza, homem e sertão. O homem é sempre alguém de respeito e respeitador. A mulher, na maioria das vezes, é cortejada das mais belas formas, até mesmo quando está partindo, deixando para trás o amor de uma vida, por ex. "Leva no bico uma canção que tenha a mesma cor e cheiro dela/ Aproveitando pergunta pra ela meu Deus como é que fica o nossoamor/ Do fundo do meu coração não vivo sem a luz dos olhos dela/ Explica tudo direitinho a ela por Deus, meu mensageirobeija-flor" (Mensageiro Beija-flor, autor não encontrado). E há três ritmos que quando tocados não deixam niguém parados: xote - mais mansinho, mais romântico; xaxado - um pouco mais rápido, não deixando ninguém parado de braços cruzados e o baião ou o dois para lá e para cá, não sou digna de defini-lo, só seu que é muito bom de dançar.
A formação da banda, na maioria das vezes do trio, é Sanfona, Triângulo e Zabumba, mas às vezes pode-se encontrar um violeiro (viola caipira) ou um agogô com baqueta ou ainda o som de uma flauta (doce ou transfersal). Os sons de cada instrumento são muito claros, é possível distinguir cada som do outro, tudo se mistura em pura harmonia e melodia.
No sul do país o forró pé de serra é conhecido como forró universitário, tendo como representantes o Falamansa, Bicho de pé, o Arrastapé entre outros. E para o Brasil inteiro tempo Luiz Gonzaga, Humberto Teixeira, Flávio José, Santana, entre outros mais. Algumas da músicas mais famosas são Asa Branca, Esperando na Janela, De mala e Cuia, e muito mais.

Finalizando, não consigo entender, como que depois de todas essas diferenças gritantes as pessoas ainda se referem a Aviões do Forró como forró! Não é Forró! É Oxente Music, é comércio, é baixaria, é música de puteiro... qualquer coisa menos forró. Forró é amor, é amizade, carinho, é cultura, é literatura, é poesia...
Por isso neste São João nordestino não importa se você está indo para o maior São João do Mundo (Caruaru/ PE ou Campina Grande/ PB), mas sim se você está indo para o Melhor São João do Mundo, aquele que você pode encontrar cultura e tradição com muita qualidade e respeito. E como disse Chico César no São João do ano passado aqui em João Pessoa, de certa forma reafirmando o que eu acabei de dizer: "Não importa se é o maior São João do Mundo, mas sim se é o Melhor do Mundo, com muita qualidade". Talvez não tenha sido exatamente isso, mas com certeza foi algo bem parecido com isso.

Postar um comentário