quinta-feira, 28 de abril de 2011

Recordar é preciso





O mar vagueia onduloso sob os meus pensamentos.
A memória bravia lança o leme:
Recordar é preciso.
O movimento de vaivém nas águas-lembranças
dos meus marejados olhos transborda-me a vida,
salgando-me o rosto e o gosto. Sou eternamente náufraga.
Mas os fundos oceanos não me amedrontam nem me imobilizam.
Uma paixão profunda é a bóia que me emerge.
Sei que o mistério subsiste além das águas


(EVARISTO, 1992, p. 17)


Natural de Belo Horizonte - MG, Conceição Evaristo nasceu em 1946, formou-se em Letras (Português-Literatura), Mestre em Literatura Brasileira e Doutora em Literatura Comparada. É considerada uma das maiores vozes femininas na literatura afro-brasileira, com sua estréia em 1990 nos Cadernos Negros (CN).




Li seu primeiro poema essa semana, antes tarde do que nunca, dizem por aí...fazendo uma pesquisa para a universidade. O poema foi o Eu-mulher. Lindo! Fantástico. De uma criação forte de imagens que misturam desejo e liberdade, Eu-mulher, numa lida rápida e surpéfula, consegue nos falar de questões sociais, eróticas, femininas, místicas, etnicas e de liberdade como se encobertos por uma bruma, um véu...


Procurem-no e deleitem-se... e Recordem, é preciso...


(Não falarei mais para não me equivocar... Em todo caso: divirtam-se!)
Postar um comentário