sexta-feira, 6 de novembro de 2009

A Linha do Poeta



Na linha do poeta frio
Estão minhas estrelas
Sonhei todas em vão. Ela partiu
Em pedaços: infinitas belezas
Por todo o universo: vou e verso
Sombrio e sóbrio, sem proteção ou desejo
O poeta alinha tudo num eco,
Num vão e destrói. Dói!
Ah, como dói! Cada pedaço
De verso. Cada canto que ela rói
Tudo dói. Ela e sua beleza do Diabo!
Ah!!

E sóbrio o peito mói
Em sonhos o poeta sombrio.

(23.07.07)
Postar um comentário